anos90_566x228

Anos 90

1991
A abertura das importações favorece a volta dos automóveis Volvo ao País. Em fevereiro de 1991, chegam ao Brasil os 26 primeiros automóveis Volvo 960, importados da Suécia pela Volvo Car do Brasil. Nesse ano, entram em operação os ônibus Volvo B58 Ligeirinhos. O modelo de embarque em plataforma aboliu as escadas do ônibus e diminuiu muito o tempo de embarque e desembarque dos passageiros. Suas estações-tubo tornaram-se um cartão-postal da cidade de Curitiba.No final desse ano, a presidência da Volvo do Brasil foi assumida por Carl Lindeström.

1992
Com 25 metros de comprimento e capaz de transportar 250 passageiros por viagem, os biarticulados deram um novo fôlego ao sistema de transporte de passageiros de Curitiba. O sistema de transporte de Curitiba já havia se consolidado - no início dos anos 90 - e a demanda de passageiros continuava crescendo. Nesse período, a cidade passou a contar com os ônibus biarticulados, especialmente desenvolvidos pela Volvo do Brasil, e até hoje sem similares no mundo. Inicialmente desenvolvidos sobre chassis B58 e mais tarde sobre os B10M e B12M. Com sua grande capacidade, os biarticulados melhoraram a qualidade de vida das grandes cidades, por meio de um transporte mais eficiente. Além disso, trouxeram ganhos ambientais, pois diminuíram a emissão de poluentes por passageiro transportado.

1993
Com a abertura às importações, a Volvo anunciou a chegada dos caminhões FH12 de cabine avançada da Suécia. Com isso, foi a primeira montadora a introduzir caminhões com motor eletrônico no Brasil. Ainda em 93, a Volvo adquiriu o Transbanco (Banco de Investimentos S.A.) a fim de operar na captação de recursos para o financiamento de produtos da marca. Esse foi o embrião da atual Volvo Serviços Financeiros, que mais tarde assumiu o controle daquela instituição financeira.

1994
Com o sucesso do FH12, a Volvo decidiu importar também o moderno chassi de ônibus B12, o primeiro da montadora com motor traseiro.  O mercado passava o contar com uma nova possibilidade para aquisição dos produtos da marca, com a criação do Consórcio Nacional Volvo. Na fábrica, os funcionários ganharam a Vikingprev, um pioneiro plano de previdência privada em que a Volvo passou a investir cotas para garantir um futuro mais tranquilo aos seus empregados. O pós-venda lançou o sistema de Unidades à Base de Troca, pelo qual os frotistas podem trocar um item avariado por outro remanufaturado na fábrica. Os custos são mais acessíveis, com garantia e padrão de qualidade de fábrica. Nesse ano, a produção comemorou a usinagem de 50 mil motores em Curitiba.

1995
Em 1995, quando se comemorava a produção do caminhão número 50 mil, outro recorde histórico era estabelecido com a venda, em um só mês - março -, de 819 caminhões. Em uma decisão histórica, em maio daquele ano, a Volvo foi pioneira em todo o País ao adotar a jornada de trabalho de 40 horas semanais para empregados da produção. Da mesma forma, foi a primeira montadora brasileira a definir um sistema de participação dos empregados nos resultados. Nesse ano, a Volvo comprou a totalidade da participação da VME, dando origem à Volvo Equipamentos de Construção.  No Brasil, os negócios de equipamentos de construção da marca eram divididos entre Campinas, SP (comercial) e Pederneiras, SP (industrial).

 

1996
Em 1996, a Volvo lançou a linha de caminhões EDC - Electronic Diesel Control em três faixas de potência: 320, 360 e 410 CV. Seu novo gerenciador eletrônico de injeção de combustível garante maior desempenho, economia de combustível, menor custo operacional e menor emissão de poluentes. A certificação ISO 9000 foi obtida também em 1996, ano em que o programa de formação e treinamento de mecatrônicos - mecânicos com profundos conhecimentos em eletrônica - estendeu-se para toda a América do Sul, com profissionais treinados pela fábrica para assegurar perfeita manutenção dos novos caminhões eletrônicos.

1997

Em 1997, foi lançado o ônibus B12B, uma versão especial para o mercado brasileiro do B12, originalmente importado até então.  Com o programa Factory 99 - lançado em 1997 -, a empresa aprimora o sistema de gestão de sua planta para as mudanças que aconteceriam nos anos seguintes, preparando-se para o novo século/milênio. Inaugurada naquele ano, a fábrica de cabines de Curitiba, a terceira do grupo Volvo no mundo, possuía a mais moderna tecnologia, incluindo 12 robôs na linha de produção, moderno sistema de pintura e utilização de materiais nobres, como aços leves e de alta resistência, além de tintas ambientalmente adequadas.

1998
A nacionalização dos caminhões FH12, que passaram a ser produzidos no Brasil em 1998, marcou uma nova fase na história da empresa. Os produtos brasileiros passaram a ter exatamente a mesma plataforma tecnológica da Europa. Ulf Selvin assume a presidência da Volvo em janeiro. A Volvo Construction Equipment brasileira passou a ser responsável pelos negócios na área de equipamentos da marca, em toda a América do Sul. A novidade vinha acompanhada da introdução das motoniveladoras, ocorrida com a compra da canadense Champion em 1997, e de escavadeiras, a partir da aquisição da coreana Samsung Heavy Industries, em 1998. Na fábrica de Curitiba, foi introduzido o conceito de Equipes Autogerenciáveis - EAGs: grupos com autonomia para coordenar as atividades do dia-a-dia, com um mínimo de supervisão. O modelo das EAGs é herdeiro das bem-sucedidas experiências nas fábricas suecas da Volvo Cars em Kalmar e Udevalla, nos anos 70.

1999
Lançado o NH12, versão "nariguda" do FH12, completando a atualização da linha de produtos iniciada um ano antes. Os modelos da "linha H" eram caminhões com a mais avançada tecnologia de eletrônica embarcada. Foram os primeiros a ter computador de bordo, com uma tela que informava ao motorista todos os dados sobre o veículo.  Em 1999, a fábrica de motores Volvo, em Curitiba, foi totalmente modernizada. A planta era a única a produzir os motores da marca fora da Suécia.Nesse ano, a área comercial da Volvo Equipamentos de Construção foi transferida de Campinas, SP para Curitiba, PR, integrando-se definitivamente à estrutura de negócios da Volvo do Brasil. O mesmo aconteceu com a Volvo Penta.A Volvo Serviços Financeiros realizou suas primeiras operações de Leasing.
2001 Fazer "test-drive", antes de adquirir um equipamento de construção Volvo, tornou-se possível a partir da inauguração do Centro de Demonstrações da Volvo CE em Curitiba.  Surge também o Centro de Entregas Volvo: os proprietários - ou seus motoristas - retiram seus novos caminhões diretamente na fábrica, onde recebem cursos de direção segura e direção econômica, além de conhecer a produção e fazer "test-drive" nos veículos em pistas de demonstração. Outra ferramenta lançada em 2001 foi o Trip Manager, um software que permite ao frotista baixar dados do computador de bordo dos caminhões para os computadores (PCs) da empresa. Nesse ano, o Grupo Volvo comprou a Renault e a Mack Caminhões, criando uma estrutura global multimarcas. No Brasil, acontecia uma nova mudança de comando: Peter Karlsten assumiu a presidência da Volvo no País.